terça-feira, novembro 17, 2009

Se 2012 é o fim não vai ter copa no Brasil?

( A foto do momento)

O Hoax dos próximos 4 anos parece ser o fim do ciclo de 5.000 anos do calendário Maia. Que ocorrerá em 21 de Dezembro de 2012. Muitas perguntas estão sendo levantadas. Mas a grande maioria das pessoas dúvida. E o cinema lucra com a idéia, enquanto alguns, conseguem até lucrar com o Pânico. Há pessoas que realmente acreditam em um fim cataclismático do nosso planeta e outras que realmente acham isso impossível.

Existe como saber? Existe uma resposta ou teremos que esperar pra ver?

O engraçado é que esse tipo de assunto afeta muito mais os anti-cristãos do que os cristãos. O que me faz rir é ver ateus, cientistas e espiritualistas de todo o tipo refletindo, se não até propagando, um tipo de apocalipse, como o largamente alardeado por cristãos séculos atrás. Não quero defender nenhum ponto de vista, mas demonstrar que a morte, o fim das coisas, são temas que nos unem. A todos. Não é atoa que o assunto ficou tão falado, assim com em 1999 na virada do milênio, ou mesmo em 1899 na virada do século. "Viradas" de todo o tipo nos inquietam, até mesmo a "virada" de um calendário Maia. O que surgiu como um comentário interessante ou uma curiosidade, já está quase virando religião ou propósito de vida. Eu creio que o mundo pode acabar antes disso, ou bem depois, whatever, mas sei que terá fim. Sei que está perto porque vejo a maneira como os homens se comportam. E é claro, quem eu quero enganar? É lógico que o meu pressuposto é bíblico. Não sem uma boa dose de Razão!

Se você tem uma gota de curiosidade, vá em frente... Encare seus medos e descubra mais sobre o fim do mundo.

www.ofimdomundo.com.br

sexta-feira, outubro 30, 2009

SINIAV só pode ser brincadeira!

Eu pensei que já tinha visto tudo. Depois de ver a super solução de segurança, a tomada padrão Brasil. Que também foi comentada na VEJA dessa semana. Hoje percebi que o Brasil continua me surpreendendo. E quando me refiro ao Brasil estou falando tanto dos seus habitantes quanto do seu governo. Há uns 2 ou 3 anos atrás lí uma reportagem sobre o uso do sistema RFID (Radio Frequency Identification) em carros na cidade de São Paulo. Hoje, acabo de ler na Folha de São Paulo que ontem (29 de Outubro de 2009) estabeleceu-se que até 2014 todos os carros do país estarão utilizando o sistema, denominado SInIAV (Sistema de Identificação Automática de Veículos).

O sistema consiste na implantação de um chip (por meio de uma placa semelhante a do "sem parar" ou um adesivo) que emite informações em um sistema de dados via rádio usado também por celulares. Para que? Para monitorar TODA a frota de veículos. E aqui está o absurdo. Segundo o governo brasileiro a razão para esta implementação repousa em um maior controle do tráfego, das multas, dos IPVAs, dos licenciamentos e etc... Sim, "etc" porque até a iniciativa privada terá certos poderes sobre essa informação, que na minha opinião, até essa manhã, era sigilosa.

Apartir desta implementação o sigilo e a minha privacidade estarão a meio caminho da inexistência. Porque alguém poderá saber onde estou a qualquer hora. A cidade vai começar a virar um grande "big brother" e eu estarei sendo vigiado onde estiver o meu carro.

E é aqui que aparece a minha insatisfação também com os brasileiros. Porque parece sinceramente que ninguém está percebendo isto. A matéria da Folha de São Paulo se preocupa apenas em questionar se esse seria ou não um caminho para o Pedágio Urbano. Eles estão preocupados só com o Pedágio? O problema é gigantescamente maior. E a cidade de São Paulo será apenas a primeira, a idéia do Estado Brasileiro é que todas as cidades possuam o sistema até 2014. São Paulo planeja implementa-lá já em 2011.

"Quem não deve, não teme" diz o adágio popular. O problema é que nem é preciso temer para ser prejudicado por alguém ou por um sistema. Um sistema desses pode ser mal utilizado facilmente por pessoas mal intencionadas, bem intencionadas e até economicamente intencionadas. Como há corrupção em todo lugar por aqui fica difícil de se esperar seriedade em um sistema tão invasivo e importante. Eles querem controlar a velocidade de estradas e ruas, mas a um custo muito alto. Ao custo da liberdade. Um sistema como esse pode ser ferramenta para inumeras ações opressivas. A invasão da privacidade é o que está em jogo aqui.

O pior é que como se trata de um sistema fisico e externo, ao contrário do que você possa imaginar não previnirá crimes. Qualquer ladrão o retiraria com facilidade. Sequestros relampagos? não. Tudo permaneceria igual. Apenas uma coisa irá mudar, saberão onde estamos, quando estamos e a que velocidade (seria esse o verdadeiro benefício?).

O mais engraçado de tudo eu ainda não escrevi. É que um sistema desses não existe mais em nenhum lugar do mundo. Muito menos em países com tecnologia suficiente para implementar isso na Segunda-Feira da semana que vem. Sabe porque? Invasão de privacidade. Existe uma barreira ainda considerada moral e ética, uma questão filosófica no caminho. Mas aqui na Pátria Amada essas barreiras não existem e nem são discutidas e nós brasileiros engolimos essas coisas por pura, falta de informação, falta de opinião e sobra de carnaval. Sim, como sempre queremos farra, queremos festa, queremos ter uma tecnologia nova nos carros. "Somos bons no futebol e agora, bons de tecnologia!" Me desculpem a revolta, mas nossa inércia me enoja. Cidadãos do Brasil que ainda tem privacidade, movam-se.

Uma evolução para o Estado, uma derrota para o cidadão.

quinta-feira, agosto 27, 2009

Brasil é o Campeão de Mortes por AH1N1

Até agora! Mas como? Alguém pode me explicar? Como um dos últimos países da América do Sul a ser infectado pelo novo vírus da gripe, a famosa "Gripe Suína", se tornou o campeão mundial em fatalidades? Os dados são bem simples de serem analisados. O Brasil recentemente declarou-se infectado pelo vírus, logo após a Argentina, depois que uma pessoa em Osasco adquiriu a doença sem ter entrado em contato com ninguém que tinha saído do país. O que indicava o alastramento natural e, apartir de então, descontrolado da doença. Isso ocorreu no fim de Julho, inicio de Agosto. Em menos de um mês - vamos ressaltar esse dado importante - MENOS DE UM MÊS o Brasil se tornou o campeão de mortes. Segundo dados de hoje registrando 577 mortes pela doença. Porque o Brasil possui a maior taxa de mortes sendo um dos últimos grandes países a serem infectados por esse tipo de Influenza A???

Acho que está mais do que claro que nosso sistema de Saúde está GRIPADO. Não damos conta do recado no que tange a saúde. Eu sempre ouvi que o nosso sistema de saúde estava falido e precisando de ajuda, mas agora pude ver o quão ineficiente ele se encontra.

Se formos avaliar a situação de outros países da América do Sul como o da Argentina, por exemplo, pode parecer que estamos bem. Em comparação com o numero de habitantes a Argentina (439 mortes) teve uma taxa maior, registrada em 1,08%. O Brasil está com 0,29% abaixo do Chile e da Costa Rica. Mas se medir por baixo não é um lugar seguro. O México, onde tudo começou só possui 179 mortes em seus registros. E a população americana é bem maior do que a nossa. E o argumento final repousa no fato de estarmos falando de uma PANDEMIA. Uma epidêmia em termos globais. Ser o país com maior número de mortes em todo o globo terrestre não possui justificativa.

Nisso tudo notei uma coisa. Notei que eu não estava interessado pela saúde do país até que a situação galopou até mim. Eu sempre ouvi falar sobre o problema da saúde no Brasil, mas ele nunca me afetou. Nunca me preocupei realmente com ele. E não estou preocupado com essa gripe (tenho bons anticorpos). No entanto, notei o quanto estamos a mercê de pessoas, que pensando como eu, por terem seus próprios recursos, abandonaram a saúde nesse estado "Campeão", de mortes. Políticos preocupados apenas com seus bolsos. Mas a morte e a doença, não escolhem classes sociais. Talvez agora eles resolvam olhar para aqueles aquem eles tem esquecido. E talvez agora os esquecidos prestem atenção em quem esta realmente interessado em resolver o problema. É um ciclo triste.

Enquanto as pessoas morrem, espero que você que lê este comentário, não se limite a suas próprias e egoístas perspectivas. Espero que quebre com esse ciclo de egocentrismo e se envolva com os problemas dos outros. Porque os líderes que temos, são aqueles que merecemos. Se não nos envolvemos como cidadãos e servidores dos outros. Não haverá quem chege ao poder com essa visão de cidadão e servidor.

Provérbios 29:7 "Informa-se o justo da causa dos pobres, mas o perverso de nada disso quer saber".

PS:É interessante como toda essa situação expõe nossos erros como seres humanos. Individuos bons de discurso, mas péssimos altruístas. Quem não crê em Jesus pode sinceramente achar que Ele nunca vai voltar aqui, mas não dá pra negar que Ele sabia o que ia acontecer conosco. Sabia no que nos tornaríamos e o que fariamos com nossa sociedade. E até as consequências naturais disso. Porque então, não acreditar na parte em que Ele diz: Vou voltar? Não estou dizendo que a Gripe Suina é o derradeiro sinal da Volta de Jesus ou do fim do mundo (como a placa da foto insinua), mas estou dizendo que a condição moral humana é essa evidência.


terça-feira, junho 23, 2009

Até uma criança percebe!


Este vídeo é parte do discurso feito por Severn Suzuki na ECO92 no Rio de Janeiro. Um encontro mundial sobre o meio-ambiente. Eu tive o privilégio de visitar a ECO92. Mas tinha apenas 10 anos de idade e não fazia a mínima idéia da gravidade do problema (assim como o resto do mundo que só foi acordar para a questão mais de 10 anos depois). Para mim foi apenas um passeio legal com os amigos da escola, mas algo importante acontecia ali, e o ápice desse evento foi sem sombra de dúvidas, o momento em que uma criança de 12 anos de idade, cala as autoridades internacionais com um discurso simples e impactante.

Mas não é sobre meio-ambiente que quero tratar agora, é sobre nós seres humanos. Os causadores do impacto sobre o planeta. OS destruidores da Terra. Separei está parte do discurso (Você pode assistir ao discurso completo aqui: http://www.youtube.com/watch?v=PAHNVz95I5A) para analisarmos a realidade nele expressa.

A menina de 12 anos percebeu, que os adultos ensinam as crianças exatamente aquilo que eles não fazem quando adultos. Mas isso não é tão simples assim de se notar, porque a verdade é que nenhum adulto PARECE “desrespeitar os outros”, quanto mais educados (como políticos internacionais) sempre fazem PARECER que “resolvem as coisas bem”, PARECEM “não maltratar outras criaturas”. Mas basta um olhar mais cuidadoso e a verdade se mostra o exato oposto. Fazem guerras (não acho que isso seja resolver algo bem, ou evitar uma briga), poderosos desrespeitam os outros sem cerimônia, e maltratamos criaturas com a desculpa de nos vestirmos com elas, nos divertimos com elas, nos alimentarmos delas e etc. Fora a maneira indireta como fazemos todas essas coisas, pela simples omissão. Nossas “ações não refletem nossas palavras!”

Nós, infelizmente, somos corruptos demais. Mesmo quando discursamos corretamente, em nome da ética, do caráter, da educação, da civilidade, estamos na verdade, escondendo nossa própria agenda para realização de nossas mais terríveis vontades. Fingimos ser educados e civilizados apenas para fabricarmos bombas atômicas e testá-las em comunidades distantes e aparte de nossa empatia. Pedimos licença ao sair da mesa, sorrimos e apertamos as mãos dos amigos e às vezes até dos inimigos, ensinamos a nova geração os preceitos do bem e do progresso, apenas para podermos nos enriquecer ao custo desleal da vida dos menos favorecidos. Queremos casas, piscinas, carros, ar condicionado, conforto, enlatado, televisão, entretenimento, ao custo de todos os valores que pregamos. Não porque estamos interessados nos valores, mas porque queremos viver bem ainda que seja ao custo de alguém. “Então vamos educar o mundo. Ensiná-los a se calar, a não lutar, a fechar os olhos e aproveitar o que a vida tem a oferecer. ‘Futuro’? que os que viverem lá se preocupem com os problemas de lá. Já temos muitos problemas aqui (no presente), temos que aproveitar”!

Não quero ser redundante, mas espero que esteja óbvio para a maioria das pessoas que nosso sistema de valores está afetado por nossos interesses, por nossa natureza. Podemos até saber o que é bom, mas fazer... E muitas vezes me questiono se sabemos realmente. O irmão de Jesus, Tiago, escreveu em seu livro (Inserido na Bíblia) no primeiro verso do capítulo 4: “De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos PRAZERES que militam na vossa carne?”. Há uma sabedoria absurda nesse texto. Vou fazer uma pergunta simples, por que não paramos de comer carne, de maltratar os animais que tem sentimentos, sentem dor, choram e são traumatizados psicologicamente como nós humanos? Pelo prazer que temos em consumi-los. Não há como negar isso. Seres humanos vivem sem carne. Conheço alguém com 1,94 de altura, 26 anos, e nunca ingeriu nenhum animalzinho, é saudável até demais, possuindo inclusive uns quilinhos a mais, rs. Mas não queremos parar o consumo de algo que nos agrada tanto, não é? Pensaremos em “N” desculpas para justificar e racionalizar nossas atitudes. Nossos interesses, prazeres, são as causas de brigas e guerras. Um país tem um interesse que se opõe ao de outro, está iniciada uma guerra. Com mortos inocentes, soldados, perdas irreparáveis e gasto desnecessário do dinheiro público. Boas coisas poderiam estar sendo feitas, mas os nossos próprios interesses serão o próprio juízo contra nós.

Acho que é por isso que as pessoas não tentam encontrar a solução. Porque buscar uma solução para isso é reconhecer que estão nesta situação. E muitos não querem mudar seus estilos de vida, as regras atuais do jogo, porque todos tem as suas próprias agendas. É por isso que muitos fogem de Deus e de Jesus, acham que Deus vai tirar-lhes a oportunidade de serem felizes, ou irá se interpor entre eles e seus interesses. Ainda que isso possa ser verdade para alguns, que Deus se interponha entre mim e minha natureza egoísta sempre que quiser, porque os frutos de uma vida sem limites, ou com falsos limites, nós estamos prestes a colher. Que o digam os ursos polares, e os miseráveis deste mundo.


quarta-feira, maio 20, 2009

Na contra mão do pensamento!

O Pensamento a respeito do cristianismo e o que o próprio cristianismo pensa de sí mesmo pode estar mal orientada. A verdade mesmo, é que o Cristianismo está na contra mão do pensamento. Essa é a verdade!

segunda-feira, maio 18, 2009

segunda-feira, maio 11, 2009

A Sorte de Hoje do Orkut

Há alguns meses, tenho prestado atenção e tomado nota das frase denominadas: “Sorte de Hoje” do Orkut. Um recurso, no mínimo bem humorado, que intenta lançar pequenas pérolas de sabedoria para a vida diária dos usuários. Pode parecer um recurso sem pretensões, mas que tem se popularizado com o tempo por realmente apresentar algumas frases de extrema sabedoria para a vida prática.


No entanto, comecei a reparar que muitas dessas frases nada mais são do que ecos do pensamento bíblico. É isso mesmo! Da Bíblia. Por mais engraçado, ridículo ou inesperado que possa parecer a maioria das frases que aparecerão para mim tinham algum eco na Bíblia. Estou com isso dizendo que os autores do Orkut são cristãos, ou mesmo intentam pregar o evangelho pelo Orkut ou estão fazendo uso de sabedoria Bíblica propositadamente??? Não! Tenho certeza, embora essa seja apenas minha opinião, que nem mesmo eles estão a par da conexão de suas frases feitas com o que a Bíblia ensina.


Ao longo de alguns meses, sempre que acesso o orkut, reparo na frase, e me lembro de aproveitar muitas delas se não a maioria. Assim, fui guardando cada uma das frases que encontrei e aqui está uma breve compilação do que elas dizem, em comparação com o que a Bíblia diz.


Sorte de hoje: Uma das maiores vitórias que se pode conquistar é derrotar um inimigo pela gentileza. (Rom 12:21; 1 Tess 5:15; Pro 15:1; Pro 29:11; Mat 5:39 - 42)

Sorte de hoje: A melhor maneira de se encontrar é se perder em benefício de outros! (Luc 9:24)

Sorte de hoje: Todas as gerações dão risada da moda antiga, mas seguem religiosamente a moda atual. (Ec 1:9)

Sorte de hoje: Os tolos e os fanáticos estão sempre seguros de si, mas os sábios são cheios de dúvidas. (1 Cor 8:2)

Sorte de hoje: Os fracos nunca perdoam. O perdão é uma virtude dos fortes. (Mat 18:23-35; Luc 23:34)

Sorte de hoje: O amor conquista tudo. (Jo 3:16; I Cor 13:8,13)

Sorte de hoje: Se você não quer que ninguém saiba, não faça. (Pro 11:3; Luc 8:17; 12:2; Sal 90:8)

Sorte de hoje: A paciência é a arte da esperança. (Rom 8:24-25)

Sorte de hoje: Não deixe que a raiva tome o lugar da compreensão. (Pro 14:17; 29:11; Ec 7:9)

Sorte de hoje: Nossa força cresce de nossa fraqueza. (2 Cor 12:9-10)

Sorte de hoje: Trate os defeitos dos outros com a mesma consideração que lida com os seus. (Mat 7:34; Lev 18:19; Mat 22:39)

Sorte de hoje: Viver amanhã é muito tarde. Viva hoje. (Mat 6:34)



Depois de tudo isso fica claro uma coisa. A Bíblia é sempre atual e sua sabedoria excede a capacidade de desenvolvimento humana. Verdades como essas acima expostas só puderam ser compreendidas e assimiladas (e muito mal em alguns casos ainda) depois de anos de desenvolvimento do pensamento humano. Mas já estavam lá na Bíblia. Ainda que alguém deseje ilegítimar a sua autoria divina, ainda assim fica provado que a Bíblia possuí conteúdo relevante aos tempos modernos, verdades transcendentes e práticas para a vida daqueles que desejam saber como viver. Daqueles que gostariam de ler um “manual de instruções” da vida prática do ser humano. Muito antes de Nietzche, Marx, Choppenhauer, Kant, Sócrates e outros que tanto criticam quanto aludem a idéias bíblicas, a verdade para o tempo moderno, para como devemos viver estava lá. Disponível.


Me impressiona notar que essas verdades estão disponíveis a todos pelo título de “Sorte de Hoje” e que ainda assim fazem sucesso e há muitas pessoas que não só prestam atenção como também estão aprendendo, realmente, alguma coisa com elas. Mas se fosse “Mensagem da Bíblia” muitos ainda torceriam o nariz, se é que não ignorariam. Mas pelo formato secular, em um veículo secular, e claro originando-se em mentes seculares que nada tem a ver com a Bíblia, se tornam facilmente populares. Eu gostei muito disso. É a sabedoria popular e moderna mostrando o que a bíblia tem a oferecer. Talvez essa coincidência tenha sido um tiro pela culatra do pensamento secular... Mas quem liga?


Me importa sim, que a Bíblia tem muito a oferecer. E mesmo os que não crêem em sua divina inspiração, tem razões de sobra para no mínimo procurar com seus próprios olhos entender esse livro estranho. Pretensioso e simples, amado e odiado, velho e atual.

segunda-feira, maio 04, 2009

Para um mundo menos triste

Eu nunca tinha visto uma banda se preocupar com casamento e divórcio. E fiquei muito feliz ao ver o esforço do Sanctus Real em trazer a pauta de sua canção a realidade epidêmica do divórcio. Em um bem produzido esforço de se levantar contra essa realidade, a banda conseguiu sintetizar apropriadamente os elementos capazes de destruir um casamento e comentar sobre eles. Eu nem sou casado, mas já me preocupo com essa realidade por conviver no meio dela e sentir o quão venenosa e degradante ela é para nossa sociedade e nossas famílias. A originalidade do tema, abordado de forma tão direta me chamou a atenção, me fez perguntar; porque ninguém nunca pensou nisso antes? Gostaria que essa música não servisse para ninguém, mas infelizmente, tenho certeza que ela pode beneficiar a muitos.


sexta-feira, maio 01, 2009

O Veneno da Humanidade!

Tenho visto muitos discursos humanistas sobre amor e caridade. No cinema, na poesia, na arte em geral, na educação. Mas há algo de vazio nesses discursos. Sejam eles provenientes de cristãos, igrejas, religiões ou pensadores seculares e filósofos. Todos esses discursos a respeito do amor parecem sem eco na vida prática dos homens. Me lembrei de um verso, “...com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro” (Ezequiel 33:31).

Nesses momentos de crise não adianta nos furtarmos da discussão. Sei que numa hora como essas o pensamento positivo e o otimismo são muito bem-vindos. Mas não dá pra ignorar a verdade sobre essa crise. Aliás, crises! Nossos problemas modernos estão longe de serem resumidos em apenas uma crise financeira global. Não vamos nos esquecer do nosso problema nacional de educação,de distribuição de renda, do problema ambiental no mundo inteiro, nem das guerras, muito menos da sempre presente deficiente economia africana.

São muitas as crises, entretanto tenho percebido que a origem é uma só e recorrente. Antes de menciona-la vamos dar uma olhada rápida na crise atual. O dinheiro não é ilimitado. Portanto se alguém tem muito, outro alguém precisa ter muito pouco. É possível encontrar até pessoas com nada! Enquanto, por exemplo, nos EUA alguns diretores de empresas chegam a ganhar 470 vezes mais que um operário de sua própria empresa. 5% da população controla 40% da economia americana inteira. O problema começa por ai, mas vai ainda mais longe. Não bastasse estas pessoas com tanto dinheiro em caixa, eles querem ainda mais. Todos estão envolvidos em investimentos que lhes trarão ainda mais dinheiro. Há uma desculpa aqui (até válida de um ponto de vista pragmático) de que investimentos trazem progresso e empregos. Mas o fato inegável é que na medida que o capital dessas pessoas cresce o capital de outros tem minguado. É pura lei da física, a matéria não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo. As notas também não.

Até ai, nada de novo. O fato desses endinheirados terem livre ambição e acumularem infinitamente mais dinheiro é onde está o problema. Esta crise está provando empiricamente que o capitalismo nunca foi equilibrado como parecia ser, mas está no exato extremo oposto do socialismo. O seu efeito colateral é o que vemos e entendemos como desigualdade social. Deveria haver um limite, ninguém poderia ser capaz de acumular desnecessários Bilhões de dólares enquanto alguns NADA tem. Digo desnecessários porque todo esse dinheiro não tem utilidade, não há no que gastar tanto dinheiro, e mesmo que haja a simples existência de tamanho poder monetário na mão de um único homem precisa ser entendido e compreendido como realmente é: Opressão social. Porque alguns tem o direito de gastar 2 milhões de dólares em uma corrida de cavalos que dura menos de dois minutos e que custa tão caro pela presença de ilustres, famosos e magnatas, enquanto outros não tem o pão?

O que isso tem haver com a crise? Me parece mais um discurso comunista, você pode dizer, mas não! Não sou comunista. Mas tem tudo haver com a crise. Qual é o problema atual? Quem tem dinheiro parou de investir. Tirando o seu dinheiro da roda para não perde-lo. Sem dinheiro girando, as economias mundiais param. O mundo para de crescer. E porque? Porque o dinheiro está na mão de seus donos.Ou melhor, nos bolsos. Se recusam a pô-lo de volta no jogo por medo de perder o que tem. Até aqui você pode pensar, “mas eu faria o mesmo, eles não são burros, estão protegendo o que é deles”. Isso mesmo! É ai que eu queria chegar!

“...com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro” (Ezequiel 33:31). Nosso mundo não está em colapso, não é o meio ambiente que está se decompondo, nem nossa sociedade. Nós estamos! É nossa ambição por LUCRO. Esse é o nosso veneno. Até podemos falar de amor, conhecimento, educação, tecnologia, progresso, mas uma coisa nunca muda há anos, nosso desejo por LUCRO. Isso tem pautado nossas decisões e definido nossa realidade como ela é hoje. Se educação, conhecimento e tecnologia fosse a solução estaríamos bem melhor agora. No entanto nosso conhecimento e nossa tecnologia nos levaram mais longe ainda. Duas Guerras mundiais e várias outras guerras homéricas e sanguinolentas no século mais educado da humanidade. Usamos aviões para jogar bombas, sistemas de foguetes espaciais para lançar mísseis e ainda travamos guerras em nome do lucro sim!

Entendo perfeitamente o medo de grandes investidores em investir em um momento como esse. O que não entendo é como somos tão cegos para ver que sem altruísmo legítimo não passaremos de discursos vazios. Com a ausência de ações sem intenção de lucro, jamais poderemos falar de amor de verdade. Bezerra da Silva disse: “Se malandro soubesse como é bom ser honesto, seria honesto só por malandragem”. As vezes penso que “se o homem soubesse como é lucrativo ser altruísta, seria altruísta só por ser lucrativo”. Mas como me confirmou um amigo, isso também não seria altruísta.

Para ser altruísta tem que ser doação mesmo. Sem barganha, sem troca, sem lucro. Madre Teresa dizia que: "O amor, para ser verdadeiro, tem de doer. Não basta dar o supérfluo a quem necessita, é preciso dar até que isso nos machuque”.

O colapso do mundo e da sociedade são sempre o resultado de nossa ganância. Do nosso colapso. Porque não entendemos realmente o que é mais lucrativo, se é o poder ou se é o amor. Se é o meu bem-estar ou se é o do outro (não vou dizer “bem-estar de todos” porque isso é uma utopia enquanto não compreendermos que só é possível quando pensarmos no “bem-estar do outro”). Enquanto não nos fizermos estas perguntas, e encontrarmos a sábia resposta, nos destruiremos naturalmente.

A crítica esta feita, a pergunta agora é quanto a solução. Longe de mim querer parecer piegas e resumir tudo a um simples “Jesus é a solução”. Mas a verdade é que aprendo altruísmo com Ele. Ele tem me mostrado como pensar sempre nos outros e por mais difícil que isso me seja, tenho conquistado passo-a-passo uma melhor compreensão do meu egoísmo e de como mudar. Não é fácil. Nem simples. Mas não é complicado, nem impossível. Basta mudar minha direção. Costumamos pensar que o mundo deve ser assim: De Deus para mim, do Mundo para mim. Dia-a-dia eu me convenço de que o meu papel pode ser feito, se eu estiver bem direcionado. E a direção é essa: De mim para Deus, de mim para o mundo.

quarta-feira, abril 29, 2009

"Programado para Crer"


Este é o título do artigo publicado na revista Super Interessante de Maio de 2009. O artigo nos informa que pesquisadores do Instituto de Saúde dos Estados Unidos comprovaram por um novo estudo que “o cérebro humano já nasce predisposto a acreditar em Deus”. Diz mais, “a fé não é opção pessoal nem chamado divino; é uma tendência biológica”. É claro que tudo isso é posto, tanto no artigo da super como na pesquisa, como obra da evolução das espécies em milhares de anos.

Eles perceberam que a parte da estrutura cerebral que é responsável pela “teoria da mente”, é ativada quando as pessoas pensam em Deus. Ou seja, a mesma estrutura física do nosso cérebro que é acionada quando nos simpatizamos com alguém ou temos empatia por alguma pessoa, é ativada quando pensamos em Deus. Sem essa estrutura não seriamos capazes de viver em sociedade e seriamos uma “multidão de psicopatas”. Mas é essa mesma estrutura responsável pelas complexas relações sociais que é responsável também pela nossa fé. E tanto um crente como um ateu a possuem. Talvez seja por isso Jesus tenha dito: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração...e ao teu próximo, como a tí mesmo” (Mt 22: 37-39). Deus programou nosso cérebro para se relacionar com Ele e com as pessoas da mesma maneira.



“Acreditar está em nosso DNA” diz a revista.“Se um grupo de crianças fosse deixado numa ilha deserta, elas acabariam se tornando religiosas” é o que diz o psicólogo Justin Barrett, da Universidade de Oxford. Ele é o responsável por uma polêmica pesquisa que ainda não foi concluída a respeito de porque algumas pessoas crêem e outras não. Mas arrisca um palpite “As pessoas não escolhem acreditar ou não; elas nascem acreditando. As crianças são propensas a acreditar na criação divina. Já a idéia da evolução não é natural para elas”. A revista conclui dizendo que “é como se você saísse de fabrica com um cérebro crédulo”.

Essa notícia pode ser boa ou ruim para crentes e ateus, dependendo do ponto de vista. Alguns ateus vão ignorar o fato de que se Deus existe e nos criou essa estrutura cerebral faça sentido. E usarão isto como argumento para a teimosia da espiritualidade em não desaparecer em vista dos argumentos “científicos”. Outros ateus, podem acabar por perceber que isso pode ser a demonstração de uma mente por trás da nossa. Preocupada em se comunicar conosco em Religar-se (significado do termo Religião) conosco. Por outro lado, alguns crentes ficarão felizes por perceber a mão de seu Criador em sua estrutura cerebral. Mas outros ficarão chateados pelas suposições cientificas de que isso não passa de uma estrutura fruto da evolução. O fato é que qualquer um dos lados pode usar essa informação a seu favor como argumento.

Para mim, isto é apenas mais uma evidência da criação do homem por Deus. Mais uma evidência dos argumentos que C. S. Lewis discutia com Freud. Pra mim é a prova cientifica do “Consensus Gentium”. Todos os povos tem uma religião, todos nascem predispostos a uma religião, ninguém nasce ateu. E isso faz mais sentido para a crença em Deus do que para a crença na evolução. Segundo a teoria da evolução os mecanismos desenvolvidos são para vivermos melhor e a seleção natural se encarrega de eliminar tudo o que é obsoleto e inútil. Não faz sentido a crença obsoleta em um Deus que não existe. Não faz sentido que o nosso DNA carregue um elemento tão importante na nossa cultura humana, que seja apenas inútil e fictício. E sim eu creio. Sou normal. Entretanto reconheço com isso, que Deus embora tenha nos criado para crer. Nos garantiu a liberdade, mesmo não crer nEle, nos é possível, ainda que seja antinatural. Essa pra mim é a maior evidência de um Deus de amor. Não impõe. Mas se revela. Isso me lembra um dos textos de C.S. Lewis que eu mais gosto; “"...o irresístivel e o indiscutível são as duas armas que a própria natureza [de Deus] o impede de usa-lás. simplesmente sobrepor-se à vontade humana (o que Sua presença certamente faria, ainda que em seu grau mais ínfimo) seria inutíl para Ele. Ele não pode arrebatar. pode apenas cortejar".

terça-feira, abril 28, 2009

A sabedoria de UMA vida


Fazia muito tempo que um filme não mexia comigo dessa maneira. O filme em português se chama “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild), foi dirigido por Sean Penn e tem uma trilha sonora que ambientaliza incrivelmente o filme inteiro. Ele conta a história REAL de Chris McCandless que ao se formar, sai com seus 23 anos, sem lenço e sem documento, queimando as notas de dinheiro que tinha na carteira, para uma aventura em meio a natureza. Uma aventura anti-materialista. Que tornaria sua vida um convite a reflexão.


O filme me tocou, primeiro pela identificação com o personagem e seu desejo de viver na natureza. Segundo pela busca que ele estava realizando. Uma busca profunda pelo verdadeiro significado da vida, ou como ela deve ser vivida. Para quem nunca viu o filme, vale muito a pena. Não vá achando que se trata de entretenimento puro. O filme tem uma ideologia, ainda que sua intenção tenha sido apenas relatar e reconstruir a aventura de Chris McCandless, o filme acaba por nos trazer as conclusões de sua jornada.


Não pretendo estragar o filme para quem não viu. Mas não sabia que meu penúltimo post faria tanto sentido. Pra falar a verdade. Eu me emocionei demais, quando vi a conclusão que ele chegou a respeito da vida. Eu tinha passado o filme inteiro pensando naquilo. Fiquei imaginando quando ele perceberia a realidade que parecia estar lhe faltando. Claro, em vista de tudo que ele viveu antes, fazia sentido o rumo que tinha tomado. Entretanto ele teve várias pistas pelo caminho do que realmente era importante, mas queria perceber por si só o que era a vida. Se ele não houvesse compreendido o que ele compreendeu, o filme por mais belo e tentador que fosse, teria sido apenas intoxicante e venenoso.


Ele nunca perdeu sua fé. Isso também foi importante pra mim. Desafiou todos os paradigmas do seu tempo, mas não pode negar a existência de um Deus, mesmo sendo fruto de uma educação tirana. Via propósito na natureza e nas pessoas que conheceu.


Eis as fotos de sua aventura.


quinta-feira, abril 16, 2009

Deus e um menino



"Os homens maus não entendem o que é justo, mas os que buscam o Senhor entendem TUDO". Provérbios 28:5

domingo, abril 12, 2009

A Institucionalização do Individuo.


Dizem que a Insituição familiar está falida.
..

“O Brasil registrou, em 2007, 916.006 casamentos civis - 2,9% a mais do que em 2006 (889.828), segundo as Estatísticas do Registro Civil divulgadas hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já o número de divórcios e separações foi de 231.329. Ou seja, uma dissolução para cada quatro uniões civis.Instituído em 1978, o divórcio atingiu sua maior taxa em 2007, segundo o IBGE, quando teve crescimento superior a 200%, desde 1984, passando de 0,46‰, em 1984, para 1,49‰, em 2007. Em números absolutos, os divórcios concedidos passaram de 30.847, em 1984, para 179.342 em 2007”.

Todas essas informações não deixam dúvidas quanto a Instituição do casamento. Está falindo. Pra não dizer falida, visto que muitos casamentos são mantidos legalmente, mas estão dissolvidos na prática. As pessoas não sabem mais se ligar, se conectar (como abordado em tópico anterior). Estamos cada vez mais isolados. O tempo está passando e estamos nos tornando “Ilhas”. Isso é tão nítido que até os nossos beijos, nem são beijos mais. Apenas tocamos as bochechas e emulamos o beijo através de um som produzido por nossos lábios, próximos aos ouvidos de alguém. Nossos lábios não tocam as pessoas. Exceto quando queremos nos aproveitar delas, pra nos sentirmos bem, então as beijamos com nossos lábios, mas não com nossa mente. Não com comprometimento em manter um sentimento, uma decisão. E tem sido sempre assim ultimamente, nós (EU) no centro da ação.

A falência da instituição do casamento, da família, está criando uma nova instituição. O Individuo. Esta é a Instituição em ascensão. Sim, digo instituição porque tem se rodeado de regras (não se envolver, não se machucar, não correr riscos, não abrir mão do que é por direito seu, não desistir dos seus desejos, buscar sua própria felicidade, alcançar o sucesso e etc...). Cada individuo traça as suas próprias regras. E isso é outra característica de uma instituição. Tem suas próprias regras e normas. Regras estas que regem o modo como a sociedade interage e se relaciona. Estamos naturalmente, todos juntos, caminhando para um mundo mais individualizado do que familiarizado. Falamos em globalização, mas nosso interesse é o bem-estar próprio. Percebemos que unidos vamos mais longe, não porque estamos realmente interessados com a situação de uma viúva no Afeganistão ou de um jovem confuso da Moldávia. A tão sonhada PAZ é para mim. EU quero viver em paz. E muitos de nós estamos “preocupados”(sentimento, sem ação) com a paz do Oriente Médio porque enquanto houver pessoas sofrendo, nossa paz está comprometida também.

O fim dos casamentos é apenas um sintoma deste caminho que estamos percorrendo. Uma triste evidência de que estamos nos distanciando dos velhos e tradicionais valores que nos sustentaram por tantos anos. E sabe para quê? Para que cedo ou tarde, percebamos o quanto estivemos enganados em institucionalizar o individuo, perceberemos que nos afastamos demais e que precisaremos nos reunir, não apenas nominalmente como fazemos por meio do orkut, do msn ou da globalização. Mas uma união que nós perdemos e continuamos a perder.

União legítima que só é e será possível quando aprendermos a desinstitucionalizar o nosso EU. Quando lembrarmos de velhos valores como “não há amor maior do que esse, dar a vida por seus amigos” (Jo 15:13).

Até porque a tão alardeada falência dos casamentos repousa na idéia moderna de que “o casamento é para MINHA felicidade”. Enquanto a idéia original é o casamento para trazer felicidade ao OUTRO”.

Não sei quando vamos acordar. Mas esse post é uma tentativa de mudarmos de direção. Ouvir nosso egoísmo nunca será a solução, por mais que nos agrade, o resultado será sempre a falência de nossa sociedade. Falência do amor. É impossível amar sozinho. Mas será que teremos que ficar sozinhos pra percebermos isso?

domingo, abril 05, 2009

Videolog #01

Depois de muito planejamento finalmente ficou pronto o primeiro post completamente em video. Espero que logo eu possa postar mais.

George Silva, foi o brasileiro, triatleta, que desceu do extremo norte do Brasil até o extremo sul, numa viagem de 8600km de bicicleta. No total ele já pedalou 30.000kms entre paises da América do Sul. Mas não pela simples necessidade de pedalar e se superar, parece que George tem uma missão!



>>>Compre "Conquistando o Brasil" aqui.<<<

Visite o Blog de George Silva com o diário de sua viagem e acompanhe todas as pedaladas desse desafio pelo estado de São Paulo. >>> http://www.unasp-ec.edu.br/otriatleta/projeto.asp
Ou visite o site para mais informações: http://www.atletasdafe.com.br/

quarta-feira, abril 01, 2009

Dexter ataca novamente, dessa vez no Brasil!


F
ui muito criticado pelo texto sobre o seriado Dexter há quase dois anos atrás.
E com razão em algum momento. Acho que pesei demais a minha mão com críticas muito sarcásticas e irônicas aos expectadores. Aprendi demais com aquele texto. Mas aqueles que acompanham o seriado e a discussão sobre influência de mídia na sociedade já devem saber onde quero chegar. Aconteceu de novo.

Primeiro foi em Edmonton, no Canadá. O fã da série e cineasta, Mark Twitchell (foto ao lado)de 29 anos, foi acusado de homicídio por um crime que, segundo o The Canadian Press, se assemelha aos acontecimentos narrados no seriado. Johnny Altinger, que está desapareceido, teria sido morto por Mark em uma garagem - cenário que lembra muito o tipo de crime que é familiar a série americana. Dexter corta suas vitimas em pedacinhos e as lança no mar.

Eles apreenderam um script escrito por Twitchell sobre um assassino que atraiu um homem à sua morte em circunstâncias similares.De acordo a polícia local, a vítima foi aliciada em 10 de outubro para uma garagem onde Twitchell teria feito filmes. Johny teria sido atraído sob o pretexto de um encontro com uma mulher que teria contactado na internet.

“Nós temos muitas informações que sugerem que ele definitivamente idolatra ‘Dexter’ e muita informação de que ele tentou imitá-lo durante este incidente”, disse o detetive Mark Anstey do departamento de polícia de Edmonton, no Canadá. Como se ainda não bastasse, ele escreveu em sua página do Myspace, em terceira pessoa, a seguinte frase: “Mark tem muito em comum com Dexter Morgan”.

Até então, nada incomum ou digno de nota, tendo em vista os tempos quem que vivemos e a sociedade cada vez mais doente a que estamos nos acostumando a cada dia. Afinal foi apenas um caso. Uma “exceção”! Eu pensei assim, até hoje, quando uma notícia me saltou os olhos. Um problema sério da sociedade americana, os assassinos em série, estão se multiplicando, agora no Brasil. Sim, isso mesmo, no Brasil.
Sérgio Alexander, o Dexter Brasileiro.

O Jornal de Brasília (http://www.jornaldebrasilia.com.br/impresso/noticia.php?IdNoticia=325537) publicou a seguinte matéria: “Um homem de 35 anos foi apresentado ontem pela Polícia Civil do DF como suspeito de ser serial-killer. É o vendedor autônomo de veículos Sérgio Alexander Dias Casadio, acusado de ter matado três pessoas em Vicente Pires. Ao ser preso, ele agradeceu os policiais, dizendo que se não tivesse sido descoberto continuaria praticando assassinatos. Sérgio Alexander confessou que já tinha até planejado matar mais duas pessoas nos próximos dias. Sérgio Alexander aplicou injeções com anestésico em duas das vítimas. Ainda segundo os agentes, ele limpava com cuidado o local do crime para não deixar pistas.

O vendedor de carros foi preso na quarta-feira à noite em sua residência, em Vicente Pires. Segundo o delegado Erick Seba, da Delegacia de Repressão a Sequestros (DRS), Sérgio Alexander intitulava seus crimes de Operação Dexter, nome do seriado norte-americano que lhe inspirava e ensinava a matar. Em sua casa, a polícia apreendeu vários DVDs do Dexter. Também foram encontradas cópias do seriado NCIS, com o qual aprendia a limpar o local dos crimes”.

Segundo a reportagem na rede Bandeirantes, ele matou a própria namorada que havia sido cumplice em dois dos crimes anteriores. Ele limpava a cena do crime, o corpo da vítima, e jogou uma em um rio, alusão ao modo como Dexter se livra dos corpos lançando-os no mar. No caso do estado de Goiás, rios. Uma das mortes foi exatamente como uma das ultimas mortes de Dexter na 3º Temporada. Utilizando um arame com madeiras nas pontas para dar firmeza enquanto sufocava a vítima.

Não estou aqui para um grande e sonoro “Eu Avisei!”. Estou aqui para dizer o quanto podemos ser envenenados, e quando não somos, outros poderão ser. Em nome do entretenimento deixamos um seriado irresponsável ditar o destino de 3 vítimas no Brasil. Para mim e para você talvez esse seja um entretenimento inofensivo, o que duvido também, mas com certeza não foi para as vítimas de Sérgio Alexander. E quem sabe o que mais não há por ai, ou há por vir ainda? Vale a pena para nossa sociedade? Não vou repetir meus argumentos. Recomendo aos que não leram o antigo post, uma rápida conferida.

sexta-feira, março 27, 2009

A Teoria das Multiplas Burrices

Parece uma coisa bem óbvia, mas googleando por ai percebi que ainda não pensaram nisso. Howard Gardner formulou em 1985 a Teoria das múltiplas Inteligências. Uma teoria que acaba com a maneira como medimos a inteligência de alguém, o famoso teste de QI. Mas essa teoria fez e faz muito mais. Ela ajuda as pessoas a entenderem e identificarem aquilo no que realmente são boas. Onde está a inteligência de cada um. Sendo assim, a teoria demonstrou que há pessoas, por exemplo, em cuja inteligência reside na capacidade Lingüística. Elas possuem “uma sensibilidade para os sons, ritmos e significados das palavras, além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem”. Outras possuem Inteligência Musical, Lógico-Matemática, Espacial, Cinestésica, Interpessoa e Intrapessoal. Todas elas podem ser desenvolvidas.

Mas o que parece tão óbvio realmente, é que se existem “múltiplas inteligências” também deve existir as “múltiplas burrices”. Pra cada inteligência existente é preciso que haja uma burrice correspondente. Isso também explica muita coisa. Alguém disse (e não vou me arriscar a dizer quem pra que minha burrice não fique tão patente) “Invejo a ignorância, porque ela é eterna”. Embora a ignorância seja apenas uma forma de burrice, sim ela sempre nos acompanhará. Há os burros musicais (eu, desafino até no pensamento), os burros Lógico-Matemáticos, os burros espaciais, cinestésicos, interpessoais e intrapessoais. Antes que você pense que eu devo me achar arrogante por falar tanto da burrice alheia, preciso lhe dizer que o que me fez perceber as múltiplas burrices, foram as minhas próprias burradas.

Descobri logo cedo, que sou um burro no que tange a inteligência espacial, quando minha letra era horrível, eu não conseguia seguir os pontinhos e era péssimo jogando bola com os amigos. É por isso que odeio futebol, jogo tão mal, tão mal, que nas poucas vezes que tentei, depois de me tornar adulto, me certifiquei que o campo definitivamente não era o meu lugar. Isso não quer dizer que estou para o sedentarismo, mas definitivamente não estou para o futebol. Me lembro do último jogo que brinquei (sinônimo perfeito de: atrapalhei o jogo dos outros ou diverti a muitos). Quando um amigo lançou uma bola alta do outro lado do campo em minha direção eu me desesperei imediatamente. Não importava a velocidade da bola, o ângulo, o peso dela ou minha posição em campo (estava sozinho), eu sabia de uma coisa... Não fazia a mínima idéia de onde aquela bola ia cair e sabia que ia por tudo a perder. Me lembro que nas breves frações de segundos que se seguiram, eu calculei (mal) que a bola chegaria a minha posição na altura do meu peito. Me preparei para o impacto e para recebê-la. Estava errado. Ela me alcançou na altura da minha cintura. Mas eu ignorei completamente a realidade e tentei abaixar meu peito até a altura da bola. Imagine alguém tentando matar uma bola no peito que está na altura da cintura!!! Pois é, espero que esteja rindo, como aquelas pessoas todas me olhando. Uma coisa é certa, embora eu até possa me desenvolver e mudar esse quadro. Eu sou um burro pra essa atividade.

Mas todo esse insight e discurso é só pra gente parar um pouco e pensar o quão incompletos nós somos. Não importa se você é P.hD (conheci um que não sabia dirigir), se você é um grande expoente na medicina, ou qualquer outro campo da inteligência. Juntamente com as nossas glórias nossas burradas nos acompanham. Não importa se você é o Richard Dawkins, o Dalai Lama, o Barack Obama, o Osama (não, eu não quis rimar) ou o Papa Bento XVI. Sempre erramos. A questão é, estamos dispostos a aceitar isso?
Estamos sempre falando de “inteligências”, mas parece que ninguém está realmente disposto a falar das burrices. Pra analisar os erros, pra pedir ajuda! E aí que esta o pior mal da burrice. Não são os erros que ela provoca. O pior é se fingir de morta. Eu me impressiono em como sou esperto e inteligente para certas coisas e ignorante e tolo com outras. A percepção destes erros é muito importante para o crescimento. Mas quanto mais os percebemos, mais entendemos como somos e continuaremos sendo incompletos.

Me admiro muito dos escritores do evangelho e o próprio Jesus falarem de como preencher essas lacunas num tempo em que ainda não se falava de múltiplas inteligências. Me admira como perceberam que somos todos incompletos e que carecemos de algo para nos completar. E antes que você pense que vou me tornar místico aqui e dizer o quanto Jesus pode ser um placebo espiritual ou pode te ajudar subjetivamente. Eu preciso te dizer que eu creio que Ele é real pelas coisas que Ele falou. Pelas provas que Ele me deu. A garantia que Ele dá na Bíblia é a mais realista de todas, na prática. Veja.

Os pessimistas e céticos dirão que é impossível mudar, estamos condenados a oscilar entre nossas glórias e fracassos para sempre, a mercê de nossas fraquezas. Os otimistas dirão que nós podemos mudar realmente mesmo não vendo nem uma evidência disso ao longo da história humana. Jesus diz que jamais poderemos mudar enquanto tivermos essa natureza, mas diz que nunca mais seremos os mesmos (em uma constante mudança e crescimento) se O conhecermos. Algo do tipo: Keep it going (continue em frente). Estou certo de que essa é a melhor solução prática e plausível. Nunca seremos perfeitos e completos, porque acidentalmente e naturalmente erramos. Múltiplas inteligências e múltiplas burrices são naturais. Mas podemos melhorar sempre. Posso lutar todo dia pra ser melhor que ontem. Sem recuar um centímetro, e ainda assim continuarei imperfeito. Mas com a certeza de que posso melhorar mais amanhã. A questão então não será a mudança completa (o que é impossível em nossa realidade) ou a danação completa, mas quanto tempo eu consigo ficar no caminho do bem. Ainda que imperfeito, se eu estiver no caminho certo, estarei sempre melhor.

Sem Jesus, eu jamais perceberia isso. Sem Jesus eu nem conseguiria, porque é Ele quem renova essa certeza para mim sempre. O que Ele diz me ajuda muito a crescer todo dia. Eu confio no que Ele me ensinou. Não encontro em Jesus uma só palavra que me lance para trás. Com Ele sigo sempre em frente. Imperfeito, mas Sempre Avante!

segunda-feira, março 23, 2009

Cristianismo Puro e Simples.

Não... Apesar do título, não é um post sobre C.S. Lewis. Dessa vez é John Wesley quem se apresenta. Retirei este texto do blog "Youth Impact" que por sua vez tirou a idéia do "Pulpito Cristão". Portanto, um assunto que já se provou digno de ser compartilhado entre tantos e espero eu, que inspire a todos.

"John Wesley poupava dinheiro, mas fazia para o bem dos pobres, e não em proveito próprio. Quando consentiu em aceitar o salário da sociedade de Londres, ele mesmo limitou à modesta soma de 30 libras (750 dólares). É verdade que além disso recebia o lucro de venda de seus livros, que às vezes chegava a ser considerável. Mas, depois de retirar o necessário para suas modestas despesas, distribuía o restante com os pobres[...]Sua maneira de viver era tão singela que, quando lhe perguntavam quanto valia seu aparelho de jantar, julgando que um homem tão notável possuía talheres de grande valor, respondeu: "Tenho duas colheres de prata aqui em Londres, e duas em Bristol. Esses são todos os utensílios de maior valor que possuo atualmente, e não comprarei mais, enquanto me rodearem pessoas que careçam de pão".

"Alguns livros alcançaram venda superior as minhas expectativas, e com ela fiquei rico sem querer. mas nunca quis ser rico, nem me empenhei por isso. Como tal fortuna, porém, veio-me inesperadamente, não cumulo riquezas sobre a terra, nem entensouro absolutamente nada para mim. Meu desejo e propósito são distribuir de graça o saldo do fim do ano...minhas próprias mãos executarão a distribuição dos meus bens".

Bem diferente de tudo o que temos visto por aí, não é?


Fotos da mansão do Bispo Edir Macedo em Campos do Jordão, avaliada em mais de 6 milhões de reais. Possui 35 cômodos, sendo 18 suítes, além de um elevador panorâmico, como consta na matéria da Veja de 04/07/2007.



Jato particular de Edir Macedo (Um dos, pois o mesmo possui dois iguaizinhos ao da foto)




Fazenda
do casal Hernandes em Mairinque no valor de R$ 1.800.000,00. Somada com a casa do casal em Boca Raton (EUA), o casal possui 2,79 milhões de reais acumulados em apenas 2 propriedades, como publicado na revista Época de 27/05/2002.



Por fim, a roupa do Papa Bento XVI usada em sua visita ao Brasil foi tecida utilizando 15km de fios de ouro e prata.

Enquanto alguns entendem o evangelho como um caminho de prosperidade, riqueza e poder. Uns poucos como Wesley foram capazes de enxergar um simples carpinteiro dividindo tudo o que tinha com seus amigos... A começar por descer do Seu trono e entregar a Sua vida.


terça-feira, março 17, 2009

O ser humano está devoluindo?

Essa pergunta não se refere a teoria da evolução ou qualquer outro argumento sobre as origens. É sobre a capacidade de decisão dos seres humanos. Acho que está comprometida. Estamos cada vez mais burros, ou mais sem esperança? Porque se ignoramos os fatos em nome do nosso bem-estar passageiro é porque estamos sem esperança e desmotivados com o futuro, pensando somente no bem-estar de agora. Ou estamos simplesmente deixando de usar nossos neuronios pra nos entretermos confortavelmente. Porque a realidade é bem simples:

“Only when the last tree has died and the last river been poisoned and the last fish been caught will we realize we cannot eat money”(Somente quando a última árvore tiver morrido e o último rio estiver envenenado e o último peixe pescado nós descobriremos que não podemos comer dinheiro). Provérbio indiano.





O que faremos? Mudar é urgente. Mas estamos dispostos a abrir mão do conforto? Nossa vontade tem sido dominada pelo que devemos fazer ou pelo que queremos fazer?